AS 3 MAIORES E MAIS INSANAS FESTAS PROMOVIDAS NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE

15 de setembro de 2018
102

1. O funeral da civilização Wari

A civilização Wari promoveu uma celebração tão misteriosa quanto a sua existência. Eles simplesmente deram uma festa sem explicações antes de partirem para a extinção de seu povo. Em certo ponto de suas vidas, os membros Wari se separaram para seguir individualmente na luta com outros reinos e, aos poucos, deixaram de existir. Depois de mais de mil anos, tudo o que se sabe sobre essa nação está baseado na descoberta de um grande túmulo coletivo, aberto em 2013, no qual havia milhares de objetos feitos de cerâmica, ouro e bronze, pertencentes ao império Wari.

Um inexplicável adeus

Imagem da escavação da tumba Wari

Mais de mil anos depois da existência e do fim da civilização Wari, só se tem informações de que, por algum motivo, alguns membros desse povo se juntaram e promoveram uma celebração com mais de mil litros de bebida alcoólica. Eles mesmos produziram a bebida para a festa e depois de beberem muito, até alcançarem níveis de estupor, botaram fogo nos estoques restantes, antes de se separarem para o resto das vidas. Acredita-se que esse tenha sido um ritual para se despedir de sua misteriosa cultura.

2. A vez em que Alexandre, o Grande, ficou bêbado e acabou com uma cidade

Junto de seu exército macedônio, Alexandre, o Grande, conquistou Persépolis, o antigo centro do império Aquemênida. Em virtude do grande significado da conquista, eles resolveram fazer uma grande comemoração, que seria uma das mais loucas da História. Foi considerada um simpósio, como eram chamadas algumas celebrações na Grécia Antiga que envolviam bebedeira após um banquete.

Bebe e perde a noção…

Segundo fontes citadas pelo Cracked, os guerreiros de Alexendre, bem como o seu próprio líder, eram bêbados sem controle emocional. Conflitos e discussões aconteceram até que, em certo momento, o conquistador terminou sua garrafa de vinho, quebrou na cabeça de um de seus companheiros e teve a brilhante ideia de se vingar de Persépolis, por causa da Grécia, e botar fogo na cidade.

Estátua de Alexandre Magno (o Grande)

A cidade, objeto de desejo de Alexandre durante boa parte de suas batalhas, foi destruída logo após ser conquistada. No dia seguinte, sobraram o remorso e a vergonha pela ação, além de, é claro, uma enorme ressaca.

3. Os jogos de inauguração do Coliseu

Toda a arquitetura e história por trás do Coliseu engrandecem a importância deste monumento perante a sociedade. O local é uma das mais impressionantes construções humanas que perduram até hoje. O histórico de batalhas e competições do Coliseu não é lá tranquilo, mas, com certeza, à altura de sua grandeza foi a sua festa de inauguração. Os cidadãos de Roma participaram do evento com mais de 9 mil animais sacrificados e celebrações regadas a grande quantidade de vinho durante mais de três meses de comemoração.

As consequências…

Nessa festa não foram as consequências propriamente ditas que a fizeram ser considerada insana. Sem dúvida, a loucura no período em que milhares de gladiadores participaram de orgias com bebida e derramamento de sangue foi enorme, mas foi um adicional promovido pelo imperador Tito que realmente deixou esse evento tão inconsequente.

A representação das naumáquias

Não satisfeito com os mais de 100 dias de festa, o imperador promoveu duas grandes simulações de batalha naval em pleno Coliseu. Ao contrário das batalhas entre gladiadores, as quais raramente terminavam em morte, as “naumaquias”, como eram conhecidos os combates navais, eram batalhas em que os participantes lutavam até a morte. Muitos lutadores morreram no enorme oceano artificial montado na arena.

Categorias

Siga-nos